Asma: Mitos e verdades

Asma: Mitos e verdades

A asma atinge 20% das crianças brasileiras, sendo mais comum na infância, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

 

Durante uma crise de asma, os bronquíolos se inflamam e reduzem a passagem de ar. Os principais sintomas são: tosse, dificuldade para respirar, aperto no peito, chiado e infecções respiratórias frequentes.

 

A asma pode ser classificada em três níveis de acordo com a gravidade (Asma leve, moderada e grave) e esse resultado considera a intensidade dos sintomas/crises e as interferências na rotina. 

 

Após muitos estudos, foi possível definir um tratamento para a doença. Ele pode ser feito como forma de prevenção e ou alívio dos sintomas. Ambas as situações são medicadas com antiinflamatórios.

 

Procurar um especialista sempre é o melhor caminho, mas para ajudar, separamos alguns mitos e verdades para te ajudar:

 

VERDADES

 

A doença tem tratamento

 

Ele é feito com medicamentos inalatórios para prevenir crises e abrir as vias aéreas. 

 

Pessoas com asma podem (e devem) praticar atividade física

 

Fazer esporte é essencial, porque ajuda no condicionamento físico. Entretanto nada deve ser forçado, por isso é legal encontrar uma atividade que elas gostem.  

 

A asma pode piorar com a gravidez

 

Mas isso não é uma certeza. Estudos mostram que ⅓ das mulheres apresentam piora, ⅓ ficam na mesma situação e ⅓ apresentam melhora. Assim, é fundamental que além do acompanhamento ginecológico, a grávida tenha um acompanhamento com pneumologista.

 

O quadro asmático pode ser influenciado pelas alterações emocionais e hormonais

 

As mudanças hormonais podem provocar crises asmáticas e as questões emocionais, como ansiedade, insegurança e medo, pode piorar essa situação.

 

As crianças ficam mais resistentes à asma quando convivem com gatos

 

Os gatos têm certas substâncias que tornam as crianças em contato com eles mais resistentes à asma, segundo uma pesquisa feita nos Estados Unidos.

 

MITOS

 

Fatores externos não influenciam na doença

 

Para quem sofre da doença, a exposição aos chamados irritantes (como fumaça de cigarro, poeira, mofo e ácaros) contribui, sim, para a piora da crise.

 

Mulheres com asma não conseguem engravidar facilmente

 

O tratamento da doença não influencia em nada nas tentativas de engravidar. 

 

Durante a gravidez, a mulher deve parar de tomar os remédios para asma 

 

Isso é um erro que pode levar a infecções pulmonares. Hoje, há medicações adequadas para gestantes e a melhor forma de se cuidar é se consultando com um médico especialista.

 

Asma limita a criança nas atividades do dia a dia

 

A melhor forma de controlar a asma do seu filho é usando estratégias de medicação e não limitando o seu filho a fazer atividades. 

 

Quem tem um grau leve da doença não precisa de tratamento

 

Mesmo quem apresenta um grau leve de asma, deve procurar um médico e seguir o tratamento recomendado, pois outros fatores externos podem influenciar e “piorar” os sintomas da doença.

 

Há cura para a asma

 

Por enquanto não... Mas de acordo com o Instituto UQ Diamantina, os cientistas já tiveram bons resultados aplicando a técnica em animais e agora aguardam para fazer o teste em humanos. Acima de tudo, é importante manter um acompanhamento médico e fazer o que é recomendado pelo especialista. Seguindo o tratamento correto, a pessoa com asma pode, sim, viver uma vida normal.

CONTATO

* Campos obrigatórios

Whatsapp - (17) 99787-6405
(17) 3227 1222 | (17) 3227 1490
aquaticasjp@terra.com.br


Rua Felício Antônio Siqueira, 1900
Jardim Walquíria
São José do Rio Preto